3p melhores sites Home 3p melhores sites
 
poesia prosa luis mateus

Poesia & Prosa : 2017

Luis Mateus luis mateus

 
  » Prosa & Poesia «  
 
barra horizontal melhores sites
 

 

Livro: "Sermões Sociais", Luis Mateus

 

as filhas dos escritores

As filhas dos escritores (05~Fevereiro)

Do peito nascem-lhes flores.
Dão-lhes canto, cor e alento.
São filhas de trovadores
Entregues a pastores,
Que lhes retiram alimento!

Tivessem escritores, dos cantos
Admiração e reconhecimento
De todos quantos
A dor cobre de negros mantos
De desamores em sofrimento!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

pobre passarinho

Pobre passarinho (05~Fevereiro)

Vem devagar, de mansinho,
Em doces pezinhos de lã.
Sorrindo sobre o meu ninho,
Traz-me no bico o passarinho
Uma linda romã!

Com tal engodo, a avezinha
Fustiga-me sem piedade,
E deixo a minha casinha
À sua nova rainha
Por minha ingenuidade!

Da rosa não vi o espinho,
Nem romã, nem maldade,
E no entanto o pobrezinho
Não sou eu, é o passarinho
Que não tem dignidade!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

liberdade a pedir e nada poder

Liberdade a pedir e nada poder! (04~Fevereiro)

Da liberdade tão afastadas:
Esmeraldas em fortes gaiolas;
Zebras em jaulas pintadas;
Caixas com caladas violas;
Atrás de grades, mãos atadas
E coelhos em apertadas cartolas...
Querer voar, cantar, ter ou ser,
Querer sorrir, pedir, e nada poder!

Pequena ou grande liberdade,
Pesada ou leve solidão?
Agitado carrossel é calamidade,
Sossegado passeio é servidão.
Do desapego à saudade,
Entre devaneio e razão,
Qual o sabor da plenitude?
Doce deserto ou multidão rude?

Que venturas quereis colorir
Do que não se vê ou espera?
Cego que tudo vê florir,
Que do Inverno vê Primavera,
Que à liberdade pode sorrir,
É, qual sol sorri à quimera,
Partida para uma viagem
De branca tela e bagagem!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

casamento no trilho certo ou errado

Casamento no trilho certo ou errado? (04~Fevereiro)

Vós, unidos, ou por Cristo emparelhados,
De membros inquietos, coxas tremidas,
Com sedes, febres, fomes de pecados,
Em ganas e vontades enfurecidas,
Quereis céus abertos ou enublados,
Âncoras ou bonanças fingidas?
Que legados, por que caminhos
Ides vós, juntos ou sozinhos?

Com ajuda escusada ou pedida,
Gritando ou em amena cavaqueira,
Lúcida conversa ou incontida,
Como ides vós, de que maneira,
Ganhar do casamento, a corrida?
Salvar o que resta da fogueira,
Se é que tal esforço vale a pena
Por grande chama ou pequena.

Que fado no altar foi entoado?
Qual a sina, romaria ou destino?
Ides vós no trilho certo ou errado,
Bom ou mau rumo ao céu divino?
Será o negro, verde ou dourado,
O amanhã que dele imagino
Ter a cor mais prudente,
Do casamento, a transparente!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

muro lamentacoes

Muro das lamentações (03~Fevereiro)

Pavões que se levantam
Baixando decoros e bastiões
Sem darem conta, plantam
No seu muro das lamentações
As vergonhas que cantam
Sem saberem cantar canções!

Diz o ditado que não aprende
O pavão da latente cidadela,
Que desse cantar depende
Pra sonhar ser coisa bela,
E por isso ele acende
À vergonha uma vela!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

amor solução de todos os conflitos

Amor, solução de todos os conflitos (02~Fevereiro)

Por quem tendes vós afinal
Laços feitos, nós engasgados?
Das roseiras do vosso quintal
Perdoais aos espinhos os pecados?
Que passarinhos do vosso beiral
Saciais de braços cruzados?
O amor que se dá, é o que fica
Do que se partilha e abdica.

Tempo, esse devorador avarento
Do amor baptizado de intemporal,
Que os anos tingem de cinzento
O que já foi da cor da cal.
Para remediar tal desalento
E a cor da neve ser a final,
Candeias iluminem o que definha
A branca neve, a vossa e a minha!

Amor de mãe, pai ou conjugal,
Do estranho ao parente,
Amar o próximo é igual
A concertar o gemido doente,
A arrancar qualquer mal
E a fortalecer a fraca gente.
Solução de todos os conflitos,
Dores, desamores e gritos!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

trovador velhaco

Sou trovador velhaco (02~Fevereiro)

Sou trovador velhaco, de zelo apostólico
Com o senso, que bem não sei se ajuíza;
Censuro o mundo real e o simbólico
Com vara curta que o justo enfatiza.
O meu e o outro mundo diabólico,
O que eu queria e o que hostiliza,
Qual doente inferno e céu católico,
Que a minha prosa aqui satiriza
Cantando e ralhando a poesia,
Ora afago quente, ora chibata fria!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

ser poeta deus dos enrredos e do tempo

Ser poeta: Deus dos enredos e do tempo (01~Fevereiro)

Letras e palavras são anarquias,
Que pintadas de cinzento,
Chamam por metáforas e analogias
Ao sabor da inspiração do vento.
Vento que tão bem assobias
E tão longo é teu chamamento,
Quanto mais a dor me afias
Maior é de ti, o meu alimento!
Desamores e dores que me envias
Fazem-me Deus dos enredos e do tempo!
Pinto infernos de lindas pradarias!
Anjos visto de negro fardamento!
Hoje sou rei de todas as bigamias,
Amanhã servo do meu casamento!
Ser da poesia escravo todos os dias,
Mas o que quero a cada momento!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

o fado mais bem feito

O fado mais bem feito (29~Janeiro)

Cai a noite, nasce a lua,
Finda o dia e nascemos nós!
Sopra o vento que apazigua
A minha alma e a tua
Enquanto estamos a sós!

Sob o luar mais perfeito,
Cantamos a uma só voz
O fado mais bem feito
Deste amor insuspeito,
Não querendo ficar sós!

Vai-se a lua, o galo canta,
Nasce o dia e ficamos sós!
Solidão que se agiganta
Até vir a lua santa
E de novo sermos ‘nós’!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

velhice no ponto final

Velhice no ponto final (28~Janeiro)

Virgulas, já as perdi no caminho
Onde atalhos vão dar a pontos finais;
Reticências, rezo-as sempre sozinho
Pra escapar a parágrafos canibais!
Aos poucos vislumbro o último vinho
Que beberei não sei de que punhais!
Ter menos tempo é ter mais a perder,
Quase nu e tanto pra escrever!

São horas lentas, frias e demoradas,
Que a velhice aceitou e por onde há

Pouca agitação e muitos nadas;
Estou onde a televisão está
E vejo-a com pálpebras desmaiadas;
Do que lá vejo e oiço, bastará
A minha ruidosa cama
E a visita de quem me ama...

Sou as cruzes e rasgos do desfiladeiro,
Cheio de marcas que contam histórias;
Tenho no bolso um andar batoteiro,
Relógios calcinados, que não dão horas,
Um olhar obsoleto, um falar trapaceiro,
Que pergunta quantas mais memórias
Terei com o meu melhor fato?
Oh, destino ingrato...

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

o forte cai e corre

O forte cai e corre (26~Janeiro)

A vida assim encarar:
Ser coruja errante
Ou papagaio ignorante,
É diferença entre caminhar
Ou cair num instante!

Ao cair, que se aprenda
Com o descuido passado,
Ou serás enterrado
Pela vida, pela fenda
Onde caístes à bocado!

O fraco a morte planta,
O forte cai e corre
Mas se agiganta!
Um, hoje se levanta,
O outro, amanhã morre!

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

a flor de lotus almejada

A flor de lótus almejada (25~Janeiro)

Sou flor por nascer, por germinar,
Como ela procuro a esperança remota
Do sol, vida e paz um dia abraçar!
Vagueando por onde a flor brota,
Eis que em mim o caule sinto rasgar
Da flor nascida, à luz devota!
Da minha alma antes alagada
Nasce a bela flor de lótus almejada.

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

morte por entre dedos

Morte por entre dedos (24~Janeiro)

É ver areia fina escoar entre dedos
E o relógio que não pára de andar!
Apontam os ponteiros cruéis torpedos
A horas que não páram de contar
As areias finas dos meus medos
Que a mão da esperança quer fechar!
Será que mão fechada o tempo segura
E a esperançosa vida nela perdura?

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

amigos sóis com ouvidos

Amigos, são estrelas, sóis com ouvidos... (12~Janeiro)

Amigos, são estrelas, sóis com ouvidos,
Que nos dão ombros, calor e luz;
São tesouros, frutos amadurecidos
Por laços que a amizade produz
Em entregas de afetos e gemidos
Como Cristo se entregou à cruz.
Laços por punhais desfeitos,
Jamais serão mantidos ou refeitos.

Que fiéis amigos conservais,
Daqueles que o tempo não levou,
Dos que calam dores tais,
Que a própria dor já calcinou?
Teriam sido cartas ou postais,
Cantares que ninguém cantou
Ou arrogâncias não contidas
Que causaram vossas feridas?

Quem por vós tem molhado os pés?
Que cimento vos une, vos apega?
Em tempestades e vorazes marés,
Por onde a amizade navega,
Quem salva quem, do revés?
Quem é o carregado e quem carrega?
Suores e lágrimas por vós secadas
São anjos, amizades somadas.

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

batalhas da nossa cama

Batalhas da nossa cama (10~Janeiro)

Vem quente, linda, com o cio,
Traz teus olhos de serpente,
Vem inocente, com desbocado feitio,
Assim te espero impaciente,
Serei teu lobo faminto vadio,
Até meu malho leiteiro ficar impotente
E que expluda a cama em euforia,
De tanto clímax, tanta pornografia!

Quero tua língua indecente,
Em gritos e gemidos alucinados,
Senti-la invadir meu corpo ardente,
Por entre algemas e cadeados,
Ficar com carnes firmes e potente,
Pra te possuir de todos os lados.

Vem em labaredas, nu integral,
Saciar-me por entre tuas fendas,
Vem-te desmedida, como habitual,
Quero-te meiga, bruta, olhos com vendas,
Pra desvendares meu longo punhal,
E luxúrias e tesões serão tuas prendas.

Bebe deste meu vinho imoral,
Em minhas uvas penduradas,
Em nome do prazer carnal
E almas no amor viciadas,
Celebremos por anos este ritual,
Dos entardeceres às madrugadas
E que sempre na tua companhia,
Adormeça assim a minha poesia.

Batalhas estas da nossa cama,
que são segredos de quem ama.

...in "Sermões Sociais" (Luis Mateus)

 

*** ! ***

 

ontem, hoje e amanhã

Ontem, hoje e amanhã (06~Janeiro)

Que saibas que superei hoje,
o ponto mais alto, de onde ontem, te amei.
Cada singelo 'amo-te' de hoje,
é mais do que qualquer 'amo-te', 
floreado ou adjetivado de ontem

Que amanhã seja um hoje mais refinado,
vivamos hoje, porque amanhã não sei e ontem já era.
Que ontens difíceis, por amanhãs, sejam passado.
Aprendamos hoje, com quedas de ontem
e que escombros sejam alicerces de hoje e amanhã.

Curem-se ontens negros,
para vivermos hojes em branco,
por amanhãs cor-de-rosa!
Se ontens fossem hojes,
hojes e amanhãs seriam diferentes!
Mas não são, por isso:
ontem é preto, aprendamos,
hoje é branco, escrevamos,
amanhã é cor-de-rosa, sonhemos!
Hoje é mais, 
porque ontem foi menos 
e amanhã será melhor.

Obrigado pela definição de hoje do amar,
por resistires ontem, pelo teu hoje
e por me amares ontem, hoje e amanhã.

Por todos os teus ontens e hojes,
tu és quem eu quero,
para meu hoje e todos os amanhãs.

Amo-te...

Luis Mateus

 
 
 
 
barra horizontal melhores sites
poesia e prosa (2017) - Luis Mateus - Topo
© 2015 : : Carpeus : : Todos os direitos Reservados